NOVA CONFIGURAÇÃO DO PORTAL
 
InícioPortaledamalta.blogsBuscarFAQRegistrar-seGruposMembrosConectar-se

Compartilhe | 
 

 CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:20 am

Bem, aqui vou escrever sobre meu time do coração, q é o CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA, situado no Rio de Janeiro, Brasil....
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:23 am

História do C.R. Vasco da Gama

1898 - A FUNDAÇÃO


O século XIX estava com os dias contados.
Prudente de Morais, o terceiro presidente de nossa República, encerrava o seu mandato. O Rio de Janeiro, Distrito Federal, com pouco mais de 500 mil habitantes, era o lugar preferido de jovens que participavam de saraus e recitavam poesias. Nesse ambiente cultural, o remo era um dos únicos esportes com algum destaque na cidade. Aos domingos, uma pequena e educada multidão se agrupava nos arredores do Passeio Público e da Rua Santa Luzia para ver, nas águas limpas da Baía de Guanabara, competições entre os barcos de clubes e seus remadores.

Nessa época, quatro jovens - Henrique Ferreira Monteiro, Luís Antônio Rodrigues, José Alexandre d `Avelar Rodrigues e Manuel Teixeira de Souza Júnior - , cansados de viajar a Niterói para remar com barcos do Club Gragoatá, decidiram fundar uma agremiação de remo.

Depois de uma reunião na casa de um deles, à Rua Teófilo Ottoni 90, o número de interessados aumentou, e os encontros foram transferidos para o Clube Recreativo Arcas Comercial (Rua São Pedro). A idéia era conseguir a adesão de caixeiros portugueses, que gostavam de esportes e não tinham dinheiro para o ciclismo, em voga na época.

Chegara a hora da fundação. Com 62 sócios assinando presença, no dia 21 de agosto de 1898, no Clube Dramático Filhos de Talma (Rua da Saúde, 293) nascia um gigante chamado Club de Regatas Vasco da Gama. A reunião foi presidida por Gaspar de Castro, que convidou para secretariá-lo Virgílio Carvalho do Amaral e Henrique Teixeira Alegria.



Francisco Gonçalves,
o 1° presidente do Vasco
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:24 am

REMO, A PRIMEIRA MODALIDADE ESPORTIVA

A aquisição dos barcos era prioridade para o Vasco. Os sócios se cotizaram e, com muito esforço, conseguiram comprar as baleeiras Zoca, Vaidosa e Volúvel, que estavam de acordo com as especificações determinadas pela União de Regatas Fluminense, entidade que regulava os esportes náuticos no Rio.

Em 04 de junho de 1899 o Vasco venceu sua primeira regata, na classe novos, com o barco Volúvel, de seis remos. O páreo, denominado Vasco da Gama, em homenagem ao novo clube, foi vencido com uma guarnição composta pelo patrão Alberto de Castro e os remadores José Lopes de Freitas, José Cunha, José Pereira Buda de Melo, Joaquim de Oliveira Campos, Antônio Frazão Salgueiro e Carlos Batista Rodrigues.

O ano de 1900 foi um marco na histórica rivalidade com o Flamengo. No primeiro páreo da história do remo no Brasil, e que levava o nome do clube da Gávea, a embarcação do Vasco foi a vencedora.

O destino do Vasco sempre foi a vitória. Com empolgados torcedores assistindo às competições no varandim construído por Pereira Passos às margens da Baía de Guanabara, o primeiro título estadual não demorou. E veio em dose dupla, 1905 e 1906. No ano do bi, dia 26 de agosto, os remadores vascaínos deram outro duro golpe no rival, vencendo mais uma vez um páreo com o nome Club de Regatas do Flamengo.

O primeiro tricampeonato do Vasco e da história do remo carioca veio em 1912, 1913 e 1914, com as embarcações Meteoro e Pereira Passos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:29 am

1904 - UM DESAFIO AO RACISMO

Os vascaínos elegeram o primeiro presidente não-branco da história dos clubes esportivos em atividade no Rio. Numa época em que o racismo dominava o esporte, Cândido José de Araújo, um mulato que não dispensava a elegância de um cravo branco na lapela, fez uma gestão exemplar, apresentando o Vasco como um clube aberto e sem preconceitos
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:30 am

1915 - NASCE O FUTEBOL NO VASCO

Com o sucesso no mar, era hora de colocar a bandeira vascaína no topo de outras modalidades esportivas.

Trazido da Inglaterra, o futebol, depois de um começo tímido nos primeiros anos do século, vinha ganhando força e popularidade junto aos cariocas. Em 1913, um combinado português veio ao Rio a convite do Botafogo para disputar alguns amistosos. O relativo fracasso do time na excursão não foi suficiente para aplacar a empolgação da colônia lusa com o esporte bretão. Em pouco tempo, os portugueses radicados no Rio formaram seus clubes para a prática dessa modalidade esportiva: o Centro Esportivo Português, o Lusitano e o Lusitânia. Dos três, o único que conseguiu manter-se foi o Lusitânia, justamente um clube cujo estatuto só autorizava portugueses nos quadros.

A diretoria do Vasco, interessada desde o início da década em formar um time de futebol, vinha tentando seduzir o escrete luso a se fundir ao clube de regatas. O empecilho era a restrição da nacionalidade, pois as regras do Vasco afirmavam a união de irmãos de todas as raças, mas a norma da Liga Metropolitana de Sports Athleticos (LMSA), que promovia o futebol no Rio, impedia a participação de clubes sem brasileiros em seus quadros. O Lusitânia cedeu e aceitou a fusão.

No dia 26 de novembro de 1915, nascia o futebol do Vasco. Pouco mais de cinco meses depois, no dia 3 de maio de 1916, vestindo uma camisa preta com a Cruz da Ordem de Cristo - equivocadamente chamada de Cruz-de-Malta - à altura do coração, o time do Vasco estreou, no campo do Botafogo, contra o Paladino Futebol Clube, na Terceira Divisão da Liga Metropolitana de Sports Athleticos (LMSA). O resultado não foi muito animador: goleada de 10 a 1 para os adversários. O gol de honra dos cruzmaltinos, primeiro gol da história do Vasco, foi marcado por Adão Antônio Brandão, um português que viera para o Rio de castigo, pois o pai não perdoava sua falta de gosto pelos estudos.


Nos tempos do amadorismo, Adão marcou época no clube como um atleta polivalente, que se destacava tanto no futebol quanto em outros esportes, como atletismo, remo, natação e pólo aquático. Jogou futebol até 1933, quando o esporte se profissionalizou no então Distrito Federal.

O fracasso nos jogos iniciais não desanimou o time. A primeira vitória surgiu pouco tempo depois, no dia 29 de outubro de 1916: o Vasco venceu a Associação Atlética River São Bento por um magro, porém convincente, marcador de 2 a 1. Os gols que deram a alegria aos vascaínos foram de Alberto Costa Júnior e Cândido Almeida. A partida, disputada no campo do São Cristóvão, na Rua Figueira de Mello, valia pontos para a Terceira Divisão da LMSA. No entanto, o resultado positivo não foi suficiente para melhorar a colocação e o time de São Januário terminou em último lugar.

Em 1917, a LMSA foi reformada e passou a ser denominada Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMTD). O número de participantes em cada Divisão aumentou para dez e os seis clubes da Terceira Divisão - inclusive o Vasco - foram promovidos para a competição da Segunda. No campeonato daquele ano, o Catete ficou com o título, mas o time cruzmaltino começou a mostrar sua força, com nove vitórias em 16 jogos e a quarta colocação no total geral de pontos. No ano seguinte, o título foi conquistado pelo Americano, time da capital, mas o Vasco chegou ainda mais perto, terminando a disputa na terceira colocação.

Em 1919, o Vasco, mesmo com nove vitórias, chegou na quinta posição, deixando o título para o Palmeiras. No ano seguinte, um quarto lugar. No campeonato de 1921, a Liga Metropolitana reordenou as Divisões, separando a Primeira pelas categorias A e B. O Vasco foi conduzido para a B, e os bons resultados não demoraram a aparecer. Os cruzmaltinos chegaram perto mais uma vez, dois postos atrás do time campeão, o Vila Isabel.


Adão marcou o 1° gol da história do Vasco.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:31 am

1922 - CHEGANDO À PRIMEIRA DIVISÃO DO FUTEBOL

Em 1922 a redenção. O Vasco venceu a Série B em todos os quadros que disputou. Quem esteve no estádio da Rua Morais e Silva, no dia 17 de julho daquele ano, viu o time principal massacrar o Carioca, imputando-lhe um humilhante 8 a 3, e levantar a Taça Constantino, primeira na história do futebol do clube.

A equipe, comandada pelo rigoroso técnico uruguaio Ramón Platero, jogou com Nélson, Mingote e Leitão, Nolasco, Bráulio e Artur, Pascoal, Cardoso Pires, Torterolli, Claudionor e Negrito. O artilheiro foi Claudionor, que marcou quatro gols, seguido de Cardoso Pires, com dois. Pascoal e Torterolli fizeram um cada.

Muito mais do que um título, a goleada deu ao Vasco a chance de que precisava para estar entre os grandes, na Série A da Primeira Divisão, e mostrar seu valor. Com um time cada vez melhor e uma torcida que começava a mostrar sua força nos subúrbios do Rio, seria mais fácil do que se imaginava. Mas, antes, a equipe teria de enfrentar o São Cristóvão, último colocado da Divisão Principal em 22, para ganhar a vaga entre os grandes. Como houve empate sem gols, o Vasco ganhou a almejada promoção e o São Cristóvão não foi rebaixado.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:33 am

1923 - O PRIMEIRO TÍTULO LOGO NA ESTRÉIA ENTRE OS GRANDES

No ano seguinte, com os cariocas ainda chorando a morte de Ruy Barbosa, o time entrou na disputa pelo título principal do futebol da cidade. O Vasco, um clube desacreditado, vinha de um campeonato em que os oponentes eram times fracos. E enfrentaria os grandes, como Flamengo, Fluminense, Botafogo e América.

Mas um fato despertou curiosidade. Enquanto os times que disputavam a Série A eram formados exclusivamente por jovens da elite carioca, o Vasco chegava ao campeonato recheado de jogadores negros e de operários, todos arrebanhados nos terrenos baldios dos subúrbios cariocas. O técnico Ramón Platero submetia os jogadores a um ritmo alucinante de treinos, fazia-os correr diariamente do campo do Vasco, então na Rua Morais e Silva, na Quinta da Boa Vista, até a Praça Barão de Drumond, em Vila Isabel. Os demais grandes, apesar de instigados, não notaram a força do time do Vasco.

Depois de um empate em um gol com o Andaraí, em General Severiano, a nau vascaína se aprumou no campeonato e foi esmagando seus adversários, sempre utilizando uma técnica infalível. Como o preparo físico do time era evidentemente superior ao dos outros, Platero fazia seu time levar o primeiro tempo em ritmo lento, para, no segundo, arrasá-los. Todas as 11 vitórias no campeonato foram alcançadas nos últimos 45 minutos.

No fim do primeiro turno, o Vasco já apresentava números assustadores para os adversários: seis vitórias e apenas um empate, na estréia no campeonato. A equipe cruzmaltina seguia seu caminho de sucesso também no segundo turno, quando encontrou pela frente seu já conhecido rival de Regatas, o Flamengo. Na primeira vez na história em que os dois times se enfrentaram, no turno anterior, o Vasco chegara à vitória pelo marcador de 3 a 1. Os camisas pretas - apelido dado aos jogadores vascaínos por causa do uniforme - vinham massacrando seus adversários e o time rubro-negro seria apenas mais um a cair.

Domingo, 8 de julho de 1923. O título Clássico dos Milhões, que mais tarde nomeou o confronto entre os dois rivais, já poderia ter sido inventado naquela tarde, no campo do Fluminense, na então Rua Guanabara.

A Liga Metropolitana, responsável pela organização do campeonato e de olho na grande arrecadação, pos ingressos demais à venda. O resultado foi contado nos jornais da época. " Mais de 35 mil pessoas, sem exagero, encheram as vastas dependências do tricolor", escreveu "O Imparcial". Com todos os espaços reservados ao público preenchidos, muitos torcedores pularam a grade que separava o campo para assistir ao jogo da pista de atletismo. O interesse naquela partida era justificável: os vascaínos vinham vencendo todos os clubes cariocas e o que se viu naquela tarde foi uma reunião de torcedores de todos os times contra os terríveis camisas pretas.

O Flamengo largou na frente e logo depois ampliou a vantagem para 2 a 0. No início do segundo tempo Cecy diminuiu, mas em seguida os rubro-negros ampliaram o marcador. A quatro minutos do fim Arlindo descontou mais uma vez para o Vasco, deixando o marcador em 3 a 2. Na seqüência, houve uma forte pressão dos vascaínos, mas o Flamengo conseguiu sustentar o resultado. O jogo criou uma polêmica histórica. Os cruzmaltinos afirmam, até hoje, ter havido um terceiro gol, mal anulado pelo árbitro. Mas não há qualquer registro desse lance na imprensa carioca.

Resta a dúvida na cabeça de alguns vascaínos: será que, como a torcida que lotava o estádio, os jornalistas também torciam contra os camisas pretas? No entanto, a derrota para o rival não abalou a confiança do Vasco que partiu com tudo para buscar o título.

Bem alimentados pelas refeições que faziam no restaurante Filhos do Céu, na Praça da Bandeira, e bem dispostos, graças ao repouso oferecido no dormitório do Clube, os jogadores cruzmaltinos enfrentaram, a seguir, América, Fluminense e São Cristóvão. Rubros e tricolores caíram na mesma tática das demais vitórias vascaínas e foram liquidados, no segundo tempo, pelo suficiente placar de 2 a 1. Uma vitória sobre o São Cristóvão, na penúltima rodada, daria o título por antecipação aos cruzmaltinos. Por isso mesmo, o adversário partiu para cima e marcou primeiro, ampliando a vantagem logo a seguir. Com 2 a 0 no placar, o público que torcia contra o Vasco acreditava que a parada estava ganha. Contudo, mais uma vez, a estratégia de Ramón Platero funcionou e, na etapa final, o time entrou com mais fôlego e virou a partida para 3 a 2, com um gol de Cecy e dois de Negrito.

Os camisas pretas, no seu ano de estréia na Série A da Primeira Divisão, tornavam-se campeões com todos os méritos possíveis, com o seguinte time base: Nélson, Leitão e Mingote, Nicolino, Claudionor e Artur, Pascoal, Torterolli, Arlindo, Cecy e Negrito


O 1° time campeão entre os grandes
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:33 am

1923 - O VASCO CRIA O BICHO NO FUTEBOL

Nesse campeonato o Vasco instituiu uma forma criativa de pagamento aos seus jogadores. Nos mercados de secos e molhados da Saúde e da Rua do Russel, os portugueses tinham o hábito de apostar nas vitórias do Vasco.

Como quase sempre venciam, decidiram dividir o lucro com os jogadores. Contudo, os atletas não poderiam receber em dinheiro, já que eram amadores. Criou-se, então, uma tabela que rendia uma premiação de animal, de acordo com a importância do adversário que o Vasco vencia. O América, o campeão em 22, valia uma vaca com quatro pernas. O Flamengo, bicampeão em 20/21 era merecedor de uma vaca com três pernas. Uma vitória sobre o tricolor carioca era trocada por duas ovelhas e um porco. Vencer o Botafogo e outros times também rendiam algum animal, sempre de galo para cima.

Estava então criado o bicho, um tipo de premiação por bom resultado em um jogo e que viraria uma instituição no futebol brasileiro.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:34 am

1924 - UMA RESISTÊNCIA À DISCRIMINAÇÃO RACIAL E SOCIAL

Enquanto na política o líder era o presidente Arthur Bernardes, no futebol a equipe vascaína vencia quase todas as partidas que disputava e também as competições. Depois de atropelar os adversários no ano anterior, em 1924 o Vasco já era o inimigo número 1 das demais torcidas cariocas. Um rival a ser batido, de qualquer maneira.

E já que era difícil batê-lo em campo, os dirigentes dos clubes rivais resolveram investigar as posições profissionais e sociais dos camisas pretas, pois o futebol ainda era amador e jogador não podia receber pela prática do esporte. Um verdadeiro golpe para tirar o Vasco das disputas.

Entretanto, os vascaínos driblaram com categoria as leis da Liga Metropolitana ao registrarem seus craques como empregados de estabelecimentos comerciais dos portugueses.

Não satisfeitos, os membros da sindicância da entidade resolveram fiscalizar a veracidade das informações. O tricolor Reis Carneiro, o rubro Armando de Paula Freitas e o rubro-negro Diocésano Ferreira se cansaram de bater às portas das firmas lusitanas e ouvir que os jogadores, ou melhor, funcionários, estavam realizando serviços externos.

A fiscalização das profissões dos jogadores era, na realidade, ilegítima. Por baixo dos panos, muitos atletas dos grandes clubes cariocas já recebiam para jogar. O que de fato incomodava os adversários era a origem daqueles jogadores: um time formado por negros, mulatos e operários, arrebanhados nas áreas pobres da cidade do Rio de Janeiro. E, ainda por cima, com o troféu nas mãos.

Depois de esgotadas todas as possibilidades de retirar o Vasco da disputa, pelo regulamento da Liga Metropolitana, os adversários apelaram para a criação de uma nova entidade, a Associação Metropolitana de Esportes Atléticos (AMEA). Aceitaram a inscrição de todos os grandes e, é claro, recusaram a dos vascaínos. Com um argumento nada convincente. Segundo os dirigentes adversários, o time cruzmaltino era formado por atletas de profissão duvidosa e o clube não contava com um estádio em boas condições.

Realmente, o campo da Rua Morais e Silva não tinha a estrutura que o Vasco merecia, mas não era esse o problema. Isso ficou claro na proposta feita pela AMEA, excluir 12 de seus jogadores da competição, justamente os negros e operários. O Vasco recusou a proposta por uma carta histórica de José Augusto Prestes, então presidente cruzmaltino, ao presidente da AMEA, Arnaldo Guinle:

"Estamos certos de que Vossa Excelência será o primeiro a reconhecer que seria um ato pouco digno de nossa parte sacrificar, ao desejo de filiar-se à Amea, alguns dos que lutaram para que tivéssemos, entre outras vitórias, a do Campeonato de Futebol da Cidade do Rio de Janeiro de 1923", argumentou Prestes. Ele prosseguiu defendendo seus atletas. "São 12 jogadores jovens, quase todos brasileiros, no começo de suas carreiras. Um ato público que os maculasse nunca será praticado com a solidariedade dos que dirigem a casa que os acolheu, nem sob o pavilhão que eles com tanta galhardia cobriram de glórias". E finalizou, decidindo não entrar na nova entidade: "Nestes termos, sentimos ter de comunicar a Vossa Excelência que desistimos de fazer parte da Amea".

Sem um campo em condições e vítima do racismo de seus adversários, restou ao Vasco disputar, com outros 21 times de menor expressão o campeonato da abandonada Liga Metropolitana de Desportos Terrestres. Dezesseis vitórias depois, sem nenhum empate ou derrota, os camisas pretas levantavam o bicampeonato sem dificuldades. No triangular final, no campo do Andaraí, o Vasco goleou por 5 x 0 o Engenho de Dentro e passou sem dificuldades pelo Bonsucesso, com uma vitória simples. O time-base era quase uma repetição do ano anterior, com apenas duas substituições: Nicolino por Brilhante e Arlindo por Russinho. Ramón Platero permanecia firme no comando.

No ano seguinte, graças à intervenção de Carlito Rocha, dirigente do Botafogo e árbitro da polêmica partida contra o Flamengo, em 1923, o Vasco foi admitido na Amea. O Clube mandava seus jogos no campo do Andaraí, onde é hoje o Shopping Iguatemi, mas seus dirigentes já se movimentavam para construir um belo estádio de futebol. E, por tabela, dar uma lição naqueles que um dia afastaram os camisas pretas da disputa com os grandes.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:37 am

História do C.R. Vasco da Gama

A História gloriosa do Clube de Regatas Vasco da Gama está repleta de fatos importantíssimos. Nosso Clube tem escrito uma das mais belas páginas do desporto brasileiro. Tornou-se uma tarefa das mais difíceis escolher dentre tantos feitos algum que pudesse vir a ser a abertura da história vascaína. Acabei por pinçar, em meio a tantos acontecimentos relevantes, o ato praticado pelo Dr. José Augusto Prestes, Presidente do Vasco em 1924, que não permitiu que o meu Clube se sujeitasse às coações no sentido de excluir dos seus quadros os atletas negros bem como os de origem humilde. Reproduzir, a seguir, a carta magistral do então Presidente, um documento com a marca do pioneirismo, independência e, acima de tudo, justiça social, que caracterizam o Clube de Regatas Vasco da Gama.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:41 am

Rio de Janeiro, 7 de Abril de 1924.
Ofício nr. 261

Exmo. Sr. Dr. Arnaldo Guinle
M.D. Presidente da Associação Metropolitana de Esportes Atléticos

As resoluções divulgadas hoje pela imprensa, tomadas em reunião de ontem pelos altos poderes da Associação a que V.Exa tão dignamente preside, colocam o Club de Regatas Vasco da Gama numa tal situação de inferioridade, que absolutamente não pode ser justificada nem pela deficiência do nosso campo, nem pela simplicidade da nossa sede, nem pela condição modesta de grande número dos nossos associados.
Os privilégios concedidos aos cinco clubes fundadores da AMEA e a forma por que será exercido o direito de discussão e voto, e feitas as futuras classificações, obrigam-nos a lavrar o nosso protesto contra as citadas resoluções.
Quanto à condição de eliminarmos doze (12) dos nossos jogadores das nossas equipes, resolve por unanimidade a diretoria do Club de Regatas Vasco da Gama não a dever aceitar, por não se conformar com o processo por que foi feita a investigação das posições sociais desses nossos consócios, investigações levadas a um tribunal onde não tiveram nem representação nem defesa.
Estamos certos que V.Exa. será o primeiro a reconhecer que seria um ato pouco digno da nossa parte sacrificar ao desejo de filiar-se à AMEA alguns dos que lutaram para que tivéssemos entre outras vitórias a do campeonato de futebol da cidade do Rio de Janeiro de 1923.
São esses doze jogadores jovens, quase todos brasileiros, no começo de sua carreira e o ato público que os pode macular nunca será praticado com a solidariedade dos que dirigem a casa que os acolheu, nem sob o pavilhão que eles, com tanta galhardia, cobriram de glórias.
Nestes termos, sentimos ter que comunicar a V.Exa. que desistimos de fazer parte da AMEA.
Queira V.Exa. aceitar os protestos de consideração e estima de quem tem a honra de se subscrever, de V.Exa. At. Vnr. Obrigado

(a) Dr. José Augusto Prestes
Presidente


PS.: O homem era o bicho, grande orgulho!!!! É por essas e outras q tenho orgulho em ser Vascaína!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   04/03/07, 04:44 am

Casaca! O grito de guerra


Vascainos! Para o Vasco,tudo ou nada?
Tudo!
Então como é que é que é que é?

CASACA
CASACA
CASACA ZACA ZACA!
A TURMA
É BOA
É MESMO DA FUZARCA!
VASCO, VASCO, VASCO!


Este grito de guerra já foi lançado milhares de vezes pela imensa torcida cruzmaltina, celebrando grandes conquistas na terra e no mar. Uma tradição que originou-se na decada de 20, e que é mantida até hoje. Tudo começou quando os remadores e outros socios do clube se reuniam na garagem de barcos para comemorar vitórias nas regatas. Invariavelmente, comparecia a estes eventos uma certa Turma da Fuzarca, que, como seu nome sugere, animava a festa. O hoje famoso grito de Casaca, que surgiu como expressão da confraternização entre os remadores e a Turma da Fuzarca, passou a ser associado às conquistas vascainas no remo e, posteriormente, disseminou-se às outras modalidades esportivas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
metro
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 182
Data de inscrição : 08/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   06/03/07, 05:04 pm

Ramón Platero, ora ai está mais um treinador virado para o futuro, não deve ser preciso ir fazer qualquer pesquisa para adivinhar que os outros (nos anos seguintes) começaram a trabalhar a parte fisica.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
eli.lua
MODERADOR
MODERADOR
avatar

Número de Mensagens : 579
Idade : 37
Localizaçâo : Albufeira
Data de inscrição : 11/12/2006

MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   22/03/07, 01:17 pm

Romário entra, não faz, e Vasco empata no fim contra o Gama

Com a cabeça no "gol mil" de Romário, o Vasco "esqueceu" de jogar futebol. Nesta quarta-feira, em Brasília, contra o Gama, pela Copa do Brasil, o atacante entrou no segundo tempo, mas não marcou gol e permaneceu a dois do "milésimo", pelas suas contas. Mesmo com um jogador a mais, o time carioca sofreu até os 45min da etapa final, quando arrancou o empate por 2 a 2, que lhe deixou em discreta vantagem na luta pela classificação para as oitavas-de-final da competição nacional.

"Como eu falei antes, tenho vontade de fazer gol em qualquer jogo e a qualquer momento. Vou tentar marcar dois agora no domingo [contra o Flamengo]. Se não der, fica para quarta-feira que vem e assim por diante", comentou Romário, que, cercado por dezenas de jornalistas, causou um alvoroço no gramado do estádio Mané Garrincha ao entrar em campo, carregando sua filha Ivy, de dois anos, portadora da Síndrome de Down.

Por sinal, em razão do Dia Nacional do Portador de Síndrome de Down, o time do Vasco entrou em campo com a frase "Amigos não contam cromossomos" estampada na camisa.

Depois que a bola rolou, Romário só entrou no jogo aos 12min do segundo tempo, quando seu time já perdia por 1 a 0 - gol de Valdeir, em chute de fora da área, que contou com falha grotesca do goleiro Cássio.

Mesmo com dez jogadores desde os 33min da etapa inicial, após expulsão de Ciro, o Gama já era melhor, tanto que acertou uma bola no travessão antes do intervalo. Aos 16min da etapa final, Neto Potiguar, de cabeça, ampliou o placar para o time da casa.

O zagueiro Fabio Braz, aproveitando rebote de chute de Romário no travessão, diminuiu para o Vasco. Aos 45min, Bruno Meneghel empatou.

"No momento em que jogamos um pouco, empatamos. Se tivesse mais dez minutos de jogo, tirávamos a diferença. Mas não dá para querer tudo do bom e do melhor, porque não estamos fazendo por onde. Nos acomodamos quando o jogador deles foi expulso e pagamos por isso", criticou após o jogo o técnico Renato Gaúcho, do Vasco.

Com o resultado, o Vasco pode empatar por até 1 a 1 na partida de volta, no dia 4 de abril, em São Januário, que garante a classificação para as oitavas-de-final da Copa do Brasil no tempo normal.

Se o houver outro empate por 2 a 2, a decisão vai para os pênaltis. Qualquer empate por três ou mais gols classifica o Gama, enquanto o vencedor garante a vaga.

O Vasco volta a campo no próximo domingo, pelo Campeonato Estadual do Rio, para tentar se "vingar" do arqui-rival Flamengo, que eliminou o time cruzmaltino na semifinal da Taça Guanabara, nos pênaltis. O Gama joga no mesmo dia, contra o Paranoá, pelo Campeonato Brasiliense.

GAMA
Juninho; Ciro, Dênis e Cléber Carioca; Marcio Goiano (Flavio Mineiro), Ricardo Araújo, Marcelo Uberaba, Valdeir e Rodrigo Ninja; Neto Potiguar (Índio) André Borges (Jurandir)
Técnico: Gilson Kleina

VASCO
Cássio; Thiago Maciel, Fabio Braz, Jorge Luiz e Sandro (Rubens Júnior); Coutinho (Bruno Meneghel), Amaral, Abedi e Renato; Marcelinho (Romário) e André Dias
Técnico: Renato Gaúcho

Local: estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF)
Árbitro: Elvecio Zequetto (MS)
Assistentes: Paulo Cesar de Freitas e Murilo de Souza (ambos de MS)
Cartões amarelos: Coutinho (V), Márcio Goiano (G), Neto Potiguar (G), Amaral (V), Fábio Braz (V), Rubens Júnior (G), Juninho (G)
Cartão vermelho: Ciro (G)
Gols: Valdeir, aos 6min, Neto Potiguar, aos 16min, Fábio Braz, aos 33min e Bruno Meneghel, aos 45min do segundo tempo


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Muzzarela Argentina
» clube para pintagol e anilhas
» CLUBE DE COMPRA - Leia com atençao!
» Duvidas sobre a IN 18
» FUTEBOL CLUBE's = O que você sente pelo seu TIMÃO?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: DESPORTO EM DISCUSSÃO :: CLUBICES-
Ir para: